***********************************************************************************************************************************

DERIVAS                                                                                                                       um filme de Ricardo Costa

***********************************************************************************************************************************

 

SINOPSE                                                                                                              comédia lisbeta

 

Ricardo, o protagonista do filme BRUMAS, passado em Peniche, a terra de pescadores onde nasceu, encontra-se agora em Lisboa. É fotógrafo de profissão, artista lutando pela sobrevivência: fazendo retratos da cidade para  clientes fáceis. Fora isso, gosta de ir deambular de binóculos pelos cais do Tejo  para ver o mar ao pôr do sol. Pretende ver mais longe que o comum dos mortais e anda obcecado com o futuro da humanidade.

 

Inesperadamente aparece-lhe em casa o seu irmão mais velho, o António, vindo de  Paris. Foi atropelado por um carro e ficou coxo, pouco depois de ter regressado de umas férias passadas em Hat Yuan com a namorada,  Irene, e com a filha dela,  a  Lili, rapariga bonita, com as quais cultiva relações ambíguas. O António é um relojoeiro reformado que gosta de ajudar os colegas a reparar os relógios das torres de Lisboa. Trabalhou durante anos até se fartar e agora vinga-se a viajar por países exóticos. Durante a sua estadia na cidade andará sempre às voltas, deambulando, para curar a perna. Ao contrário do irmão, prefere ver bem o pormenor e dominar o Tempo. É de vista curta.

 

Durante as suas andanças, ambos os irmãos  se cruzam com figuras insólitas, que desvelam facetas surpreendentes da cidade. Entre elas destaca-se a Mariana, que frequenta um curso de Estudos Clássicos na Universidade de Letras e se tornará amiga comum, tramando-os cada um à sua maneira.

 

Curada a perna, o António sente-se farto de Lisboa. Quebrando com as rotinas e  afetos desgastados, suspirando por outros, mais frescos, e por águas verde-esmeralda, apanha um paquete certa tarde cinzenta e invernosa.  Vai até Nosy Komba, a ilha dos Lémures. Não sabe quando volta. Entretanto, o Ricardo por cá fica, esperando em vão que as coisas mudem.

 

Que canção será essa, a que os sinos das torres de Lisboa cantam? Será a mesma que se ouve com as fotografias antigas?

 

 

NOTA: DERIVAS é o segundo filme (Brumas é o primeiro) de uma trilogia autobiográfica sobre o Tempo e as errâncias do Homem. É uma  docuficção.

 

 

O Tempo foge-me da mão como a areia com o vento                             Victor Hugo

 

***********************************************************************************************************************************

 

HOME